13 de junho de 2011

"O pavor das novas tecnologias apenas revela o quanto a escola é cada dia mais anacrônica."

"Nossa trajetória tecnológica atual promete inovações inimagináveis; com características de montanha russa, sem sistema de freio. Ainda que esta trajetória seja emocionante, a velocidade do movimento é tamanha que, via de regra, carecemos de tempo para pensar nas conseqüências indesejáveis que podem acompanhá-la."

Considerando a fala* acima, de Jason Ohler , La Educación del Carácter en la Era Digital, abro um espaço aqui para "pensar" um pouco a relação da escola com os novos recursos de informação e comunicação que as novas tecnologias oferecem. No caso, as redes sociais online.

Para começar essa reflexão, destaco o recente episódio acontecido no Rio de Janeiro:

A suspensão de uma aluna de 15 anos que criou uma comunidade na rede social Facebook para a troca de informações sobre tarefas e provas da escola pH virou caso de polícia no Rio.
Após Jannah Nebbeling chegar sozinha de táxi em casa dizendo ter sido coagida a apagar a página sob risco de prisão, a mãe dela, Andrea Coelho, registrou queixa. Ela entrou, também, com processo por danos morais contra a escola.


Uma outra matéria, do Masters in Teaching, traz um infográfico (ao lado - clique para aumentar) que mostra outros episódios que têm acontecido na relação professor-aluno no Facebook.

Conclusão preliminar e óbvia: essa relação professor-alunos nas redes sociais precisa ser melhor trabalhada. 

É uma tarefa urgente...e nova! 
Como fazer isso?

O que vocês acham?  


Em tempo: a dica do texto A educação do caráter na era digital foi do João Curvello, Jornalista por formação, professor da graduação e do Mestrado em Comunicação da Universidade Católica de Brasília, pesquisador da Comunicação Organizacional.
http://twitter.com/joaocurvello
http://www.acaocomunicativa.pro.br