13 de dezembro de 2013

#6adepoesia: por quê? para quê? como?

Esta história do coletivo @6adepoesia - que já tem 3 anos -  não nasceu assim sem mais nem menos ... temos sim uma idéia - pra não cair no clichê de dizer uma "causa" - que defendemos já há muito tempo. Afinal, antes de tudo, muito além de me dedicar a produzir conteúdos sobre educação e tecnologia aqui na rede, sou professora de literatura.

A idéia é simples:
espalhar poesia pela rede. 

E vocês poderiam me perguntar:
por quê?

Vou pedir ajuda ao Arnaldo Antunes para me ajudar a explicar ... Afinal explicação de poeta faz mais sentido neste caso ;-)

Porque ..."a origem da poesia se confunde com a origem da própria linguagem. (...) Porque a poesia aponta para um uso muito primário da linguagem, que parece anterior ao perfil de sua ocorrência nas conversas, nos jornais, nas aulas, conferências, discussões, discursos, ensaios ou telefonemas." E eu acrescento: nas mídias digitais.

Talvez também para tenar recuperar um tempo "quando não havia poesia porque a poesia estava em tudo o que se dizia. Quando o nome da coisa era algo que fazia parte dela, assim como sua cor, seu tamanho, seu peso? Quando os laços entre os sentidos ainda não se haviam desfeito, então música, poesia, pensamento, dança, imagem, cheiro, sabor, consistência se conjugavam em experiências integrais, associadas a utilidades práticas, mágicas, curativas, religiosas, sexuais, guerreiras?"

Ou então, para que a gente se dê conta do quanto ... as palavras se desapegaram das coisas, assim como os olhos se desapegaram dos ouvidos, ou como a criação se desapegou da vida. 

Assim, a idéia com nossa - porque é coletiva - @6adepoesia na rede é, fundamentalmente, garantir que tenhamos
"... esses pequenos oásis — os poemas — contaminando o deserto da referencialidade." 


Saiba +

FaceBook
Acesse @6adepoesia e participe
enviando poesia
compartilhando poesia publicada
curtindo

Twitter
Publique com a hashtag #6adepoesia

Fonte: Sobre a origem da poesia - Arnaldo Antunes
"12 Poemas para dançarmos" (12 poems to be danced: 2000)
Incluído no libreto do espetáculo “12 Poemas para dançarmos”, dirigido por Gisela Moreau, São Paulo