23 de outubro de 2007

Afinal, o que é tecnologia?

Uma aplicação da ciência: caneta, carro, TV, casa, vestuário, mamógrafo, computador, Internet etc. Outra definição: ferramenta para estender nossas habilidades. TV estende nossa visão: podemos ver coisas que acontecem a distância. A língua eletrônica, por exemplo, é mais sensível que a humana. Enquanto o homem pode detectar quantidade acima de 685 mg de açúcar ou 117 mg de sal em um copo de 200 ml de água, a língua eletrônica consegue distinguir estes paladares em concentrações mais baixas: 34,2 mg de açúcar ou 5,85 mg de sal. Habilidade estendida.
Apesar de, à primeira vista, parecer meio pitoresca, a mais ou menos recente invenção da tal língua não deveria ter causado surpresa, pois é fato que, ao longo dos tempos, fomos retirando o próprio corpo do “fazer” e criando ferramentas que ampliam algumas de nossas funções, físicas ou mentais (bater, pegar, caminhar, voar, calcular); fomos instrumentalizando nossas atividades. Também não podemos simplificar demais a questão, pois, mais que uma extensão do corpo, uma ferramenta é a virtualização de uma ação. O martelo pode dar a ilusão de prolongamento do braço, a roda, evidentemente, não é o prolongamento das pernas, mas sim a virtualização do andar. O intrigante é que, via de regra, logo após a invenção, estabelecemos com a tecnologia uma disputa pela hegemonia do saber-fazer; vivemos um período de conflito, de resistência à incorporação dessa tecnologia ao nosso dia-a-dia. A história está repleta dessas resistências. O que não deixa de ser uma ironia, porque uma das vantagens do homo sapiens diante das outras espécies é sua capacidade de desenvolver dispositivos tecnológicos. Além disso, é evidente que criamos tecnologia para melhorar a qualidade da nossa vida. O que você pensa sobre? Isso se aplica à Internet e à educação?