27 de agosto de 2015

#diálogozero nas redes sociais

todos têm opinião. sobre tudo. sobre todos.

todos podem expressá-la livremente. sem medo. óbvio? não. nem sempre foi assim.

todos têm vários canais para fazê-lo. rede social é o que não falta. até aqui tudo certo. #ótimo

o estranhamento começa quando eu escrevo X. fulano entende Y. #péssimo

fulano entende o que deseja. #direitodele

sicrano pergunta sobre A, beltrano, responde sobre B. ignora A. #falarnovazio

resumo: cada um entende e responde o que quer.  #diálogozero

muitos só falam com quem julgam ser capaz de fazer a mesma leitura que eles, sem risco de entender outra coisa. eliminam na raiz possíveis divergências. #blockers
Só me dirijo às pessoas capazes de me entender, e essas poderão ler-me sem perigo. Marquês de Sad 
outros correm riscos. provocam as divergências. e destroem os interlocutores. #flamers

enfim. o que querem é concordância. a qualquer preço. sempre.

nem sempre é possível. mas, o diálogo é  possível. sempre.

lembram daquela brincadeirinha que Sócrates aprendeu com Platão? perguntar, responder e refutar. #dialética

difícil? ah ...exige o domínio da arte de argumentar...a arte da palavra...

então o fácil predomina: desqualificar o interlocutor. o "inimigo".  #triste

e o espaço de argumentação vira território de guerra. e salve-se quem puder!

ironia: o diálogo em crise em um momento em que a tecnologia oferece meios nunca antes pensados para que as pessoas possam dialogar. ironia e tristeza para quem viveu tempos bicudos de censura.

exagerei? tomara que sim!