4 de fevereiro de 2011

Energia elétrica e mídia tradicional:
tudo "apagado"

Ontem à noite, vi televisão e tuitei ao mesmo tempo...o que já se tornou um hábito. Mas isso não é nem novidade nem importante...
Vamos direto ao ponto: assisti a um programa sobre implantação da usina Belo Monte, na Amazônia, , seus prós e seus contras;  vi também um outro sobre como as novas mídias influenciaram as últimas crises no norte da África e Oriente Médio,onde se discutiu muito sobre o papel da mídia cidadã, sua importância, força, legitimidade, credibilidade.
  
                             Twitter roubou minha atenção                                    

Coincidentemente, enquanto acompanhava o segundo programa, por volta das 23, 23h30, vi que tuiteiros da minha timeline relatavam insistentemente um apagão em vários estados do Norte e Nordeste do país. 

Pensei: tudo a ver com os programas da TV - apagão, geração de energia elétrica, usina de Belo Monte, nordeste e...redes sociais em situação de crise.

Primeiro lugar no TT mundial                     

E, a cada segundo, chegava um tuíte novo dando conta de mais uma localidade sem energia elétrica.  

Algumas pessoas duvidavam, achavam que era um trote.  

Outras alertavam para situações de violência por causa da escuridão total.   

Muita gente perplexa contando o que se passava em seu bairro, sua cidade e também buscando informações mais precisas sobre aquela escuridão toda: o que teria causado, as conseqüências, quando a energia seria restabelecida, que medidas as autoridades estavam tomando.

Em segundos também, a tag "apagão" ocupou o primeiro lugar dos trends topics ... do mundo ... e a agência BreakingNews noticiou o apagão brasileiro, via seu perfil no Twitter. 
 Bora trabalhar...     
Mas o curioso foi que nenhuma TV, aberta ou paga, ou site de notícias nacionais, durante todo esse tempo, sequer aludiam ao fato.Os tuiteiros, indignados,  reclamavam da falta de informações oficiais e chamavam as redações da mídia tradicional pro trabalho.
  O apagão nas redações      Duas horas depois...    Twitter e tuiteiro     

   

Primeira notícia na mídia brasileira

A primeira nota sobre o apagão veio, meia hora depois, no Terra e, curiosamente também, se baseava em posts de tuiteiros...e ilustrava a matéria com uma foto de internauta!

Por ora, não há informação oficial sobre o blecaute, mas prosseguem relatos desencontrados sobre a sua extensão.

Segundo posts no Twitter, aos poucos a luz retorna em Fortaleza; em Salvador, às 02h10 (horário de Brasília), alguns pontos voltaram a ficar iluminados.

O mesmo ocorre em outras cidades nordestinas, como Aracaju.

E, na falta de informações mais úteis a quem estava no breu total em sete estados, noticiou, assim como o G1(duas horas depois) que o show da Ivete Sangalo sofreria um atraso por falta de energia elétrica...

 



Assim,  o cidadão mídia, ou a mídia cidadã, via ferramenta  Twitter, fez direitinho sua lição de casa ontem à noite:
  • recebeu e repassou, em tempo real,relatos sobre a situação no seu entorno e em diversas localidades do país,
  • criou um ambiente colaborativo, participativo,
  • procurou apurar a veracidade das informações,
  • confrontou informações desencontradas,
  • convocou autoridades para que se pronunciassem,
  • estabeleceu um fluxo interativo e
  • pautou a mídia tradicional .
    Parabéns aos tuiteiros de plantão durante o blecaute...da energia e da mídia...O mesmo não posso dizer para a mídia tradicional. Uma pena!

    Em tempo:
    1. resolvi registrar essa história aqui para que possa, depois, colocá-la em debate em momentos de formação de educadores. Sei que esses exemplos falam alto e que podem motivar o professor a trabalhar em sala de aula com as novas mídias sociais;
    2. as imagens foram feitas em tempo real via iPhone;
    3. agradeço muito às pessoas da  minha timeline, sempre atentas ao que passa e sempre colaborativas.